Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Transmutações

Maria Oliveira

01/07/2021 02:01

As moléculas deambulam traiçoeiras alargando o seu poder
Impregnado de potência maléfica rompendo barreiras no mundo humano
Perante saltos condicionados que anunciam a extinção da sociedade
Em contingente isolamento e uma carga explosiva no seio
Da seleção demográfica que derrapa na estatística anunciada

Na carência dos afetos criam-se rotas de colisão
Perante o estado de emergência que despe as nossas defesas
E as mãos tapam a boca abafando o grito em exaustão
Com a matemática desorientada na imprevisibilidade do lodaçal
No batimento desgovernado do nosso próprio coração
Encoberto pelo reator ao rubro da densidade populacional

Nos dicionários longe da fala dos indigentes
Nascem novas e pomposas palavras que baralho
E os erros ortográficos riem do meu desmazelo
Perante a onda de calor que me vulcaniza o corpo e a mente
Envolvendo indiferente a globalização que faz tiro ao alvo em diversão
De mutação rápida enquanto a memória permanece bloqueada

O esférico rola rebola salta desliza faz fintas
Sai de hospedeiro para outro num espirro em traçado zoonótico
Por entre a saliva em voo de transferência fatal
E o fantasma da pandemia sem vergonha olha-me fixamente
Procurando eu no enredo de amor uma luz em forma de sinal