Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Soneto II

J. Freire Ribeiro

17/05/2015 01:58

Vens a mim, vou a ti, nos abraçamos
Num supremo silêncio indefinido!...
Com o corpo meu ao corpo teu unido,
Fauno e ninfa do amor no amor gozamos.

Além da terra, além de nós pairamos
Depois do holocausto consumido!...
Teu lindo olhar no meu olhar perdido,
Nossos dois corpos que num só juntamos!...

Num sonho excelso tens carinho e anseios...
Beijo teus lábios, teus divinos seios
No desejo pagão que nos renova

Empalideces no gozar supremo,
Tendo na face no deliro extremo,
A palidez astral da lua nova!...