Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

será o erro uma inferioridade

Isabel Mendes Ferreira

21/10/2017 21:11

será o erro uma inferioridade ou apenas a manifesta incompetência de ser-se lúcido todo o tempo das nossas vidas? neste tempo de aqui e agora em que a vida se impõe como tatuagem de um tempo perdido resolvo que errar é crescer (dá-me algum jeito pensar assim ) e voltar atrás na recuperação do mais importante que as raivas os ciúmes os desaires as incompreensões ou apenas a pobre minudência de actos falhados de palavras vãs de gestos atirados como pequenas farpas enganos e até vaidadezinhas. arrumei a casa do livro das caras. eliminei quem não era de bem. recuperei quem sempre esteve no lado de uma página nunca em branco. esqueci o engano. relevei pequenas cortinas de fumo e algumas mordaças traças em forma de tranças que mais não foram que nuvens passageiras sobre o sol e o chumbo da noite. resolvo que andar para a frente no caminho que nos resta é uma sequência aforística de coragem energia benevolência e humildade.
errar é tão límpido e cru quando fascinados reconhecemos o erro. falhar cuidar escolher e acreditar pode ser a serenidade. finalmente. porque a vida nos esmaga tritura e no entanto enquanto dura é um sol doce no cair da tarde.e já tarda tanto o caminho. será o erro uma inferioridade ou apenas a manifesta incompetência de ser-se lúcido todo o tempo das nossas vidas? neste tempo de aqui e agora em que a vida se impõe como tatuagem de um tempo perdido resolvo que errar é crescer (dá-me algum jeito pensar assim ) e voltar atrás na recuperação do mais importante que as raivas os ciúmes os desaires as incompreensões ou apenas a pobre minudência de actos falhados de palavras vãs de gestos atirados como pequenas farpas enganos e até vaidadezinhas. arrumei a casa do livro das caras. eliminei quem não era de bem. recuperei quem sempre esteve no lado de uma página nunca em branco. esqueci o engano. relevei pequenas cortinas de fumo e algumas mordaças traças em forma de tranças que mais não foram que nuvens passageiras sobre o sol e o chumbo da noite. resolvo que andar para a frente no caminho que nos resta é uma sequência aforística de coragem energia benevolência e humildade.
errar é tão límpido e cru quando fascinados reconhecemos o erro. falhar cuidar escolher e acreditar pode ser a serenidade. finalmente. porque a vida nos esmaga tritura e no entanto enquanto dura é um sol doce no cair da tarde.e já tarda tanto o caminho.
será o erro uma inferioridade ou apenas a manifesta incompetência de ser-se lúcido todo o tempo das nossas vidas? neste tempo de aqui e agora em que a vida se impõe como tatuagem de um tempo perdido resolvo que errar é crescer (dá-me algum jeito pensar assim ) e voltar atrás na recuperação do mais importante que as raivas os ciúmes os desaires as incompreensões ou apenas a pobre minudência de actos falhados de palavras vãs de gestos atirados como pequenas farpas enganos e até vaidadezinhas. arrumei a casa do livro das caras. eliminei quem não era de bem. recuperei quem sempre esteve no lado de uma página nunca em branco. esqueci o engano. relevei pequenas cortinas de fumo e algumas mordaças traças em forma de tranças que mais não foram que nuvens passageiras sobre o sol e o chumbo da noite. resolvo que andar para a frente no caminho que nos resta é uma sequência aforística de coragem energia benevolência e humildade.
errar é tão límpido e cru quando fascinados reconhecemos o erro. falhar cuidar escolher e acreditar pode ser a serenidade. finalmente. porque a vida nos esmaga tritura e no entanto enquanto dura é um sol doce no cair da tarde.e já tarda tanto o caminho. será o erro uma inferioridade ou apenas a manifesta incompetência de ser-se lúcido todo o tempo das nossas vidas? neste tempo de aqui e agora em que a vida se impõe como tatuagem de um tempo perdido resolvo que errar é crescer (dá-me algum jeito pensar assim ) e voltar atrás na recuperação do mais importante que as raivas os ciúmes os desaires as incompreensões ou apenas a pobre minudência de actos falhados de palavras vãs de gestos atirados como pequenas farpas enganos e até vaidadezinhas. arrumei a casa do livro das caras. eliminei quem não era de bem. recuperei quem sempre esteve no lado de uma página nunca em branco. esqueci o engano. relevei pequenas cortinas de fumo e algumas mordaças traças em forma de tranças que mais não foram que nuvens passageiras sobre o sol e o chumbo da noite. resolvo que andar para a frente no caminho que nos resta é uma sequência aforística de coragem energia benevolência e humildade.
errar é tão límpido e cru quando fascinados reconhecemos o erro. falhar cuidar escolher e acreditar pode ser a serenidade. finalmente. porque a vida nos esmaga tritura e no entanto enquanto dura é um sol doce no cair da tarde.e já tarda tanto o caminho.