Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Isabel Mendes Ferreira

28/02/2014 17:36

sentei-me comigo. no outro lado da tarde. e já era tão tarde. entre nós

o silêncio reconhecido. tarde demais. o de muitos anos. entardecido.

a metade do espelho estalado pelos punhos de um monólogo longo a

cruel onde às respostas tardias se colaram caminhos escavados com a

alma cheia de nada. sentei-me comigo debaixo da oliveira. ao nosso

lado o mar e a terrível claridade da água. filtro de todas as tardes

metáforas ironias figurações e ecos. _______________depois é con-

tinuar por um fio de aranha. não para a frente. para dentro. autofágico

e necessário nevoeiro a entardecer o grito. _________________ pedi

uma toalha. limpei a tarde. tatuagem desalinhada. verbo invisível no

finíssimo tecido de uma insegura madalena. autofágica.

(in As Lágrimas Estão Todas na Garganta do Mar, p. 296)