Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Rio profundo

Maria Oliveira

08/08/2019 01:54

Há um rio de caudal largo e profundo
Onde a limpidez das águas adquire
A tonalidade dos rochedos que beijam as margens
Igual a muitos rios que irrigam as terras
E tornam verdejante o que é árido entre folhagens

Os olhos que me guiam procuram uma forma de atravessar
Porque é imperioso nestes tempos abissais de insanidade
Ter a coragem de arriscar combater defender e mudar

A embarcação espera e decide quem fica e quem parte
Quem permanece prisioneiro do medo do medonho
E quem quer visionar uma nova cidade humana
Entre quem se mantém pelos erros sucessivos
Das rotinas do nada fazer e os que sendo altruístas
Decidem-se também por empreender
Entre quem se esconde atrás dos rótulos dos estatutos
Da ganância preguiçosa dos corruptos
E quem apenas ambiciona celebrar a dádiva da vida
Ao ritmo de uma dança bela meiga colorida

As mãos prolongamento do meu corpo invólucro
Agarram o corrimão do barco salvador
É para a outra margem que quero mudar
Os meus dedos ficarão em contacto com os nutrientes da terra
E plantarão as sementes da sensatez da tolerância
Porque a vida humana é junção e não distância
É presença cuidado e não ausência
É quente abraço aconchegante regaço
É beijo carinho riqueza maternal
E não vibração patológica destruidora do ninho