Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Quando a maré vazia tudo banhava

Isabel Pereira Rosa

11/08/2019 02:32

Quando a maré vazia tudo banhava
de silêncio e sobre mim descia
a lucidez da manhã,
foi então que prometi,
com uma única gaivota por testemunha,
que haveria de renascer.
Continuo a buscar-me na maresia,
no silêncio perfeito da praia despida,
onde possa ocorrer um segundo parto
antes que gele o meu rosto,
para que saiba então clamar
por uma terra tão incorruptível
como o suave canto do mar.