Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Para dizer que está um frio de morrer

Isabel Mendes Ferreira

04/04/2015 02:34

Para dizer que está um frio de morrer e que se morre de cinismo e de falta de 

pudor. Para dizer que à boca também falta coração e que por esta nos 
afundamos em aflições devaneios cordões e baldios. Nada que não saibamos 
desde o tempo dos segredos abertos e das borboletas caídas no dorso da 
ambição. Saem à rua as doces viúvas dos ossos e dos passos desvairados. 
Ambulantes ferraduras a coroar de diamantes o que não passa de barro. Está 
frio no pescoço da besta. Está gelo no degelo dos olhos.

______________________________________
enterrados na nuca como cálices de chumbo.