Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Oráculo

Maria Helena Ventura

17/08/2021 01:05

Corria o vento
como um louco desvairado
pelo cabelo
despia-me de ornatos
de tristeza
soprava-me com força
que não há tristeza
nem alegria
que nem sequer existimos
à face da Terra
só pairamos no Tempo
como presença inventada
do outro lado da usência:
nada.
Que vento tem esta sabedoria
das coisas imediatas
que apaga toda a informação
errada
e sopra um veio de água
umas gotas de estrelas
uns fios de luz da madrugada
para dizer:
não existes como te inventaram
levanta-te do chão
borda um nome
desenha um vôo
viaja nas franjas
desse aroma
sem roupa nem sapatos
só com a inteira nudez
até aos ossos.
Não olhes para trás
não há ninguém que importe
atrás de ti
tu preenches o teu espaço
cada um escreve
o seu pedaço de tempo
sozinho.

(In Quando o silêncio falar)