Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

O tempo é mesmo só renda.

Isabel Mendes Ferreira

04/10/2014 01:47

o tempo é mesmo só renda.
que a saudade essa sim é plana rasa e arrasa. desfaz o peito. curva o corpo. destroça a raiz. estala a pele._________________ macerada de luas que arderam aos teus pés. concebo-te estio. sempre. mesmo na linha espumosa deste inverno. onde me expurgo escorrente escorraçada estéril e efémera. o tempo que me é mísero e antigo e indócil na despropositada gramática do mal haver e mal adivinhar onde se nasce e onde se morre insepulta além das colinas debaixo do sal. são inúmeras as mãos que me desprendem e vários os dias bárbaros. o tempo é uma honra que se desfaz.


________________a linha quebrada é a linha de passagem que força o espírito a ser resistente. mea anima magnificat na crispação serena que o pensamento exclama e o dia remurmura. interrompo a chama pouso todos os ecos resta-me um adeus redondíssimo na casa das substâncias em que a língua deixa de ser a grande sedutora. mais tarde o tempo faz de grande mestre. e todas as linhas serão faces. límpidas. ressalvo a hora do meio justo e a clemência como chave____________________inclemente o limbo.