Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

O rodopio do tempo

Maria Oliveira

26/08/2020 14:03

Cruzam-se os espelhos na deformidade anunciada
Quebram-se os cristais voando na multiplicidade das velocidades
Pelos truques de ilusão claustrofóbica e parada
Onde as bestas rastejantes trocam papéis
E saltam nas prateleiras da ostentação das pedras
Na articulação dos ramos das árvores agitando o socorro
Escavando galerias de seres crescendo de acrescentos
Lambendo as gotas de água do húmido subsolo
Enquanto a omnipresença se esconde da perspetiva limitada
Das serpentes submersas na banheira higiénica
Repelente de vida alheia esgravatando persistente na clandestinidade
Na estonteante velocidade da luz que intermitente engana a plateia
Deslumbrados primatas batedores de terreno de cara feia
Ignorando que quem viveu permanece
E quem permanece morreu!

Entre um suspiro e outro o que acontece excedeu
E o que excedeu nas reentrâncias da dilatação do espaço desapareceu
O mágico ri do desnorteamento humano
Que de tão ruim produziu-se a si mesmo como desumano
O que é não existe não está lá mas na correnteza persistente
Espaço e tempo dançam na inquietude dos neurónios
E numa fração de segundo salto o muro num lamento
Visualizo a cirurgia a luminosidade do salão
O cirurgião gentil-homem e o inevitável advento