Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

o que mais invejo

Isabel Mendes Ferreira

14/03/2019 02:51

o que mais invejo é mesmo uma taça de saúde. um sorriso bom. e a vida inteira pela frente. o resto passa-me ao lado. estou - me nas tintas para quem é lobo com fato de cordeiro estou-me nas tintas para a cultura em palcos de papelão e mais ainda para as falsas vítimas que se vitimizam em letras de falso fogo.que arde e se vê se sente e se morde. invejo o in.sossego de quem não se conforma com as mortes à deriva. invejo o impossível.
voei.___________________________ porque nada mais resta por narrar. nem a presença que apaga a flor nem a flor que aumenta o hábito de florir em trevas e em cortes e em ais figurais que são a biografia de um discurso de espinhos e alguns dispersos ninhos._____________os dentes passam a teclas e a música é só fome e cegueira e obscura poalha nocturna. os outros deslizam deslizam doces e pardos violados e surdos vagabundos indesejáveis de um afecto esquecido. espessos e fiéis aros enigmáticos praticantes de uma revolta sossegada. é assim o trânsito do silêncio. nómado. suspenso. cavo. repleto do grande momento de ida sem volta nas voltas do olhar. nada resta. nem sequer este crepúsculo paralisante de onde te faço sonho doente. sonho de perda. irreparável. casa de todos os incêndios. confiantes. como são as estrelas que ensinam o caminho das searas e da absolvição. o resto é aragem. que invejo