Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Nessa quase aparente quietude de um lago

Antonio Affonso

17/09/2015 01:25

Nessa quase aparente quietude de um lago,
vejo-te na amanhecida transparência da noite
e descubro a face de cristal do teu longínquo mundo.
De ti
renasço na claridade do luar de prata,
se absorves o gélido furor de todas as vitórias sobre o Tempo...!
Transcendente é esse Éden
de que és apenas reflexo brilhante.
E de te saber tão perto e tão longe nessa ilha de silêncio
solta-se da minha voz o grito
quando libertas a palavra dos meus dispersos sentidos
e o pulsar das minhas feridas errantes...!