Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

nem tudo perdi quando a luz se fechou no teu olhar

Isabel Mendes Ferreira

06/02/2015 01:28

nem tudo perdi quando a luz se fechou no teu olhar___________nem as 

entranhas nem os dedos nem os dentes e nunca o espelho de lâminas
onde a vida é arco gelado. andam a monte as portas as sagradas asas do 
precário de um tempo silencioso. sobram as cinzas as areias as sombras e
um murro de estrelas violetas violentas vigilantes. sobra tanto ainda neste 
mapear do já consumido mas nunca da ira e do nome assinalado. há uma pedra que me pesa na mão e um osso partido ao lado do futuro. mas
nunca oculto o culto da iluminação. o que escrevo é um verbo recém-
nascido morto de coincidências onde tudo se perde. onde tudo é inverso.