Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Máscaras do poeta fragmentado

Alvaro Giesta

17/08/2021 02:28

Sob a lei da máscara, da ambiguidade de todas
as tuas máscaras imprecisas, te escrevo.
Oculto por elas, assim te revelas
sem nunca te revelares. Mesmo quando detrás delas
te queres o outro de muitos outros, e sem elas
te desejas confundir com o herói homérico.

     Invoco-te,
ó dividido, ó sem nome, ó viúvo de ti mesmo,
ó irrevelado de muitos nomes inventados.
Ó navegante perdido no sonho do teu Mar Português
onde o céu se espelha ― mar por ti cantado,
onde sonhaste o sonho persistente:
― no poema erguer a Pátria, porque
“tudo vale a pena se a alma não é pequena”.

         Invoco o teu nome,
grande e tormentoso no instante em que sendo
deixaste de ser. Navegaste no teu navio sem quilha
e sem bússola de mareante. Navegaste como se
nunca tivesses deixado este cais sem Cais
o cais da tua ausência e solidão.
Do tamanho do que sonhaste te fizeste
  Nome Maior.