Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Martírio

Edilde Lima de Aragão

31/07/2015 23:14

Eu queria falar da minha dor,
Do tédio que me mata lentamente.
Da desventura de um sonhador,
De tudo que eu amei inutilmente.

Do meu lindo castelo que ruiu,
E da desilusão do meu passado.
Do mundo que perverso me traiu,
De tudo que me fez um desgraçado.

Da vida de tormento e desprazer,
Dessa agonia lenta que maltrata,
De todo o meu imenso padecer.

Da interna luta que me faz sofrer,
Da dor que me devora, punge e mata,
Do martírio que é hoje o meu viver.