Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Insanidade das almas

Maria Oliveira

28/05/2019 02:43

Rodopia o Mundo nas hastes desenfreadas da besta
Sem ética sem estética soterrada pelas normas obsessivas do terror
No coração do homem palpita a desesperança
Com as sombras fazendo mórbido negócio dúbia aliança

O humano transforma-se em estupidificação
Comida para tubarões um horror
A paranoia invade o rosto do indecente
Troca-se o pai o filho por armamento
Destruidor mercantilismo bélico
Combater esta desavença esta falsa crença é premente

As artérias agitam um sangue contaminado
A podridão exala um odor permanente
E bem lá no interior do hipotálamo desmembrado
Só a negridão contamina o cérebro afanado
Produz o medo a crueza do degredo
O estômago vazio do mal-amado
Só os catos sobrevivem imundos
Neste planeta de cortes profundos

Asfixiam as almas no purgatório improvisado
De um carrasco sem nome sem rosto
No manicómio onde é rainha a paranoia
E as plantas trepadeiras armadilham os trilhos
Dos desengonçados sem do amor terem memória

Mundo este onde as normas se revoltam
Contra o próprio que as rabisca
Onde a morte grita vitória
E os desprotegidos e os silenciados
Caem por terra de forma inglória