Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

em silêncio o som é lugar de estranhamento

Isabel Mendes Ferreira

14/03/2015 23:12

em silêncio o som é um lugar de estranhamentos. como
referência temporal de um concerto de vozes interiores.
verso e excerto onde se nasce e morre. por uma palavra que
seja identificável. ária ou cantar de aves marinhas no alto
da tua boca em falésia ou em nuvem ao longe que o perto
é intocável. o som do teu silêncio é tão redondo e oxímoro
como o som de uma epífora onde o eu é redundante. sinal
de mais por menos que a metade onde te vi partir. em barca
sem porto onde voltar. envolto de música e nu de paraíso.
que o sonho te é ninguém. efémero como grainha és porém
o âmbar e a câmara o refúgio e o vento. tudo numa ilha.
silenciosamente centrífuga. ao som do teu silêncio.