Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Do outro lado de um qualquer mar...

José Rodrigues Dias

15/09/2015 01:17

Do outro lado de um qualquer mar...


Tu, tão perdido,
quase perdidamente,
de tão ofendido,
olhas do negro da tua terra
um rasto de luz
deixado num qualquer mar
por outros antes passado,
talvez por teus antepassados,
terra de barco naufragado,

que importa de quem aquele mar
e a quem pertence o barco
e mesmo se o barco vai naufragar,

e que importa se nem sabes nadar
se num rasgo vivo de luz
vês alguém que de lá te vem salvar,

olhas do negro da treva
a luz
de um dia de primavera,

depois de muito sofrer e mui sonhar,
abres finalmente uma janela por um qualquer mar,
e que importa se um chão se afundar?!...