Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Discurso dos deuses

Maria Oliveira

12/03/2019 02:01

Os reis do mistério circundam em orgias galácticas
Provocando a genética dos velhos símios
Moldando vestígios de pisadas magnéticas
Tecnocratas dos artifícios dos altares em suplícios

Abraço fatal dos coroados da Terra
Idolatrias dos miseráveis que eclodem longe
Dos sistemas da rotulagem das lanternas
Da vegetação luxuriante das fábulas
Que debitam e decidem o destino dos inermes
Em gravações de códigos ditatoriais a fogo em tábuas

Os discursos apologéticos dos deuses
Decompõem-se na ambiguidade das alegorias
Apontando a espada ao coração dos indecisos
Explorados pelos medos e fugazes fantasias



A melodia da reação elementar
Faz surgir fagulhas intempestivas
Comemorando a existência
Escarafuncham os homens
Na ferida aberta das metáforas
Porque só o mito provoca o conflito
Da fealdade e beleza
Da certeza e incerteza
E ultrapassa hostilidades bárbaras

O timbre dos deuses faz pacto de fragilidade
Com o conhecimento humano de façanhas pródigas
Afundam-se no labirinto das palavras ecoantes
Na profundidade dos abismos da mãe natura
Transformados em artérias vulcanólogas

Que criaturas somos atiradas para um ostracismo
Mascarado nas vértebras quebradas dos rastejantes
Permanece a revolta desta condição desatinada
Refeição azeda alimento de outras bocas
Para deglutições subtis e pútridas