Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Dir-te-ei que os meus dias

Leonora Rosado

27/05/2019 01:13

Dir-te-ei que os meus dias
Foram os dias em que o corpo
De uma rosa sangrada
No mar

Cintilante
Se evaporou de encontro
À rocha
O grito gélido
Que era a espuma
Dos nossos passos

E o corpo tomou
A forma de enseada
Por onde o vento e a mansidão
Eram braços de uma tempestade
Rochosa

Dir-te-ei que os meus dias
Submersos em flores de algas
Têm a pura finalidade
De tudo o que estremece
De frio

O ferro e o fogo
Jardim que suspende
A cauda dos dias
Pétalas que nos fecham
Os olhos