Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

David Mourão-Ferreira

Isabel Mendes Ferreira

18/06/2016 23:08

David (de Jesus) Mourão Ferreira_____________extraordinária a viagem.e era 16 de Junho.
eras órfico lírico fiel ao naufrágio do amor redentor exclamante das musas e das torres que não de papel. encheste as tardes de verbos célebres sem a caoticidade extrínseca que era comum nas invocações inverdadeiras. elegeste a diferença labiríntica fascinantemente entre Homero e Vergílio e tudo numa espiral de alma cantante. sortilégio de ombros erguidos e voz como nave à roda de um sol grego quente afrodisíaco. onde morrias por um verso que te fosse espelho eterno. e és. ainda que bem esquecido. ainda que bem maltratado. como tantos outros.outras.outros cantores da memória e do luxo de ser português. és o enorme lírico que há-de sobreviver-nos. mesmo que de ti só baste e reste os livros o riso a cumplicidade a fraternidade o sulco de um sorriso triste no dia em que disseste vai e não olhes para trás. morro daqui a dias. e morreste-me-nos. era junho. era 16 de junho. e sobra tanto por dizer. por isso te digo o que em testamento disseste: " que fique só da minha vida um monumento de palavras mas não de prata nem de cinza antes de lava antes de nada daquele nada que se aviva quando se arrisca uma viagem......"________________celebro-te! e tudo o que me.nos deste_____POETA!