Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

das várias faces

Isabel Mendes Ferreira

17/05/2017 02:02

das várias faces de um cristal retenho a do carrasco. o tempo que tem a memória e o poder que tem o ouro. são suaves os milagres que escorrem tinta de imprensa como vampiros no pescoço da solidariedade. chegar mais alto ao alto da glória. e depois enterrar o omisso mas explícito nas asas da mentira. das várias faces de um pobre cristal ressalvo a do poeta. a que não se calando cala fundo a verdade. resistir é uma inocente neoplasia no vértice do mais puro ultimatum.
______________queda anunciada. besta que o excesso não domina nem tritura. tigre afinal de lama e papel.
engrosso a água dos teus olhos vagabundos. respiro a terra que te encharca as pernas. túrgidas túlipas. urtigas e sedas . sede de partir.
são os dias da selva. a árvore a orientar o caminho. e
de nada serve o ninho se não para voar. mesmo que o resto da vida seja um casulo. nulo. tão inseguro.
das várias faces de um cristal retenho a do carrasco. o tempo que tem a memória e o poder que tem o ouro. são suaves os milagres que escorrem tinta de imprensa como vampiros no pescoço da solidariedade. chegar mais alto ao alto da glória. e depois enterrar o omisso mas explícito nas asas da mentira. das várias faces de um pobre cristal ressalvo a do poeta. a que não se calando cala fundo a verdade. resistir é uma inocente neoplasia no vértice do mais puro ultimatum.
______________queda anunciada. besta que o excesso não domina nem tritura. tigre afinal de lama e papel.
engrosso a água dos teus olhos vagabundos. respiro a terra que te encharca as pernas. túrgidas túlipas. urtigas e sedas . sede de partir.
são os dias da selva. a árvore a orientar o caminho. e
de nada serve o ninho se não para voar. mesmo que o resto da vida seja um casulo. nulo. tão inseguro.