Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Criança

Isabel Pereira Rosa

01/06/2015 01:42

CRIANÇA

Penso em ti, criança,
verde planta que ainda oscila
e que absorve o cristal
mas não o ferro.
Penso em mim,
nesta ruga que me afronta
e nestas mãos que quero mais fortes.

Por ti,
que sobrevoas abismos,
quero prevenir quedas e medos
com dedos seguros e flexíveis,
quero ser o vento que impele
as tuas asas indecisas
rumo a novos horizontes,
tendo o mundo por fronteira.

Se o pião e o baloiço de outrora
são hoje ruas escuras, infectadas,
há que inventar novas mãos
que te puxem para a luz;
há que perseguir os pirilampos
que poderão ser lampiões no teu caminho.

Vamos cumprir os passos que traçámos de mãos dadas
e diz-me da tua dor ao tropeçares
e da tua alegria ao conseguires
vencer mais uma etapa.

Por vezes largarei a tua mão
é tempo de conquistares o teu espaço
mas o meu olhar seguir-te-á atento
e transportarás em ti o meu abraço.