Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Cinzas do passado

Edilde Lima de Aragão

13/09/2014 23:36

O nosso amor nasceu

Como nascem os amores.

Parece que se mirou

No espelho das flores.

 

Um amor em botão,

Logo desabrochou.

Teve vida efêmera,

Foi infeliz, murchou.

 

O amor quando é forte

Dura a vida inteira.

Mentira de poeta,

Uma rima, uma asneira.

 

Um amor que viveu,

Chegou a ser finado.

E hoje só nos restam

As cinzas do passado.