Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Chamas o silêncio

Isabel Pereira Rosa

04/07/2016 22:55

Chamas o silêncio
para dentro da chama
com a água a espreitar
num arrepio.
Ausência.
Espera.
O sopro reconstrói o fogo
matéria solúvel no sangue
não quantificável.
Luz.
Navego.
Desertos, abismos
Espreitam num anúncio de morte
Não a persigo
Não a temo
Porque não se repete.
Mergulho
Nessa luz branca inesperada
Completamente só.
A morte pode esperar.