Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Bibliografia poética

Adília César

30/07/2018 01:31

- Querido, não me atires poemas inteiros à boca
eles magoam como pedras
marcam-me a pele, os ossos, o sangue e a paciência.
(Pingos de pesadelos a tingir as horas).

Preocupa-me essa tua atitude recorrente,
além da minha falta de poder de encaixe para a má poesia.
Para nódoas difíceis uma solução definitiva
mas sem a eficácia de um bom detergente emocional
(procurei em todas as lojas de referência
mas está esgotado), sinto-me demasiado impaciente.

A não ser que passes a escrever romances de amor
uma palavra de cada vez. E escreves amor em todas as páginas.
(não te esqueças, esta regra é muito importante).

E podes atirar-me amor à vontade.
Com o amor aguento eu bem.