Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Amor sem esperança

Edilde Lima de Aragão

21/02/2014 16:34

Tu deixas aninhar-se no teu peito,
Um impossível amor que não tem luz.
Na estrada da vida que tu trilhas,
Armas com tuas mãos a tua cruz.

Queres por força, enganar a ti próprio.
És insensato e louco – eu te lamento –.
Já antevejo o fim desse romance:
Epílogo de dor, p’ra teu tormento.

És persistente, regas a ilusão
E a fantasia que hão de ruir
Para punir sem dó teu coração.

O teu amor só tende a fenecer.
Acho loucura se nutrir um sonho,
Sem esperanças de vê-lo florescer.