Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

Acordo tarde

Isabel Pereira Rosa

27/12/2016 23:33

Acordo tarde, sempre gostei de acordar tarde
Enquanto o sol amadurece os campos.
De manhã cedo, o cão não ladra, o gato não mia
E até o telefone fica silencioso
Porque aqui todos sabem que é de noite que os braços se alongam
E chegam à pele dos animais e das coisas que gostam de ser tocadas.
Um dia, adiantei o relógio e nada mudou.
Foi então que soube que o tempo não existe.
Movemo-nos dentro dele como autómatos
Ou ficamos parados como estátuas
Por desconhecermos que não existe.
Ou então é um placebo
Cujos efeitos são nulos.
Não, não é o tempo que cria as rugas e a erosão:
São as palavras, o ar, a água, a dor, o riso e a paixão.