Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

A revolta do microcosmo

Maria Oliveira

01/07/2021 01:55

A insurreição do infinito provoca o choque em cadeia
Na vida banal dos estábulos e nos matadouros
Enquanto os omnívoros se alimentam insaciáveis por degustações
Mundanos caprichos deteriorados ignorantes e envaidecidos
Provocando o colapso das vidas humanas das sociedades
Que se vergam aos monstros de escalpes enraivecidos

Há um contentor a rebentar na imundície de selvajaria
Que devolve o troco embrulhado como presente
Na desastrosa e incontrolável pandemia
Enquanto os domínios se entranham e tocam
Copulam desenvergonhados e oportunistas sem freio nem medida
Explodindo com as finanças derrubando a frágil economia
E cada empresa vacila com a ameaça de trambolhão desfalque e falida

O submundo biológico compete com a fragilidade do esqueleto humano
E o flagelo instala-se sorridente em danças de karma universal
Perante as momices imbecis de acumulação neurótica compulsiva
Treme a gastronomia capitalista enquanto o flagelo espreita matreiro
Mata dolorosamente os indigentes os sem abrigo
Os que nem para comer nem para a saúde têm dinheiro
Mas quem detém as esmeraldas o ouro os palácios e milionário é
Nas suas mansões longe da degradação dos ajuntamentos
Também se asfixia impotente nesta horrorosa e neutra vergasta maré