Para visualizar este site, favor habilitar o JavaScript no seu navegador.

A força do dilúvio

Maria Oliveira

29/01/2018 02:19

Abre-se a fenda por onde os elementos cósmicos
Se revolvem misturam deleitam se entrecruzam
Procurando o encaixe perfeito omnipotente eleito
Criando rasgos de lençol campos estratificados
Aguardando a miscelânea o vendaval perfeito

O grito de comando soou por entre os recifes
Ecoa em toda a parte estridente como ser omnipresente
A água borbulha perante as rajadas de eficácia destrutiva
Arrancando o sustento dos homens à terra enfurecida

São prisioneiros do dilúvio infinito e imitando o furor cósmico
Chacinam os irmãos inventando justificações estoqueadas
Pela imbecilidade de uma mente decadente que perde a sintonia
Com o cordão umbilical da ética e a criativa energia

A força do dilúvio enlameia os ossos dos cadáveres à deriva
E deposita-os no fundo do mar do esquecimento ilimitado
O sol encarregar-se-á de aquecer o gérmen
Que emerge os seus caules delicados após a tempestade
À procura de um ancoradouro onde possa repousar
Pois o tempo é uma bolha sempre pronta a rebentar
E as possibilidades do acontecer rejubilam por festejar